Professor do Curso de Jogos Digitais da Facisa irá ministrar palestra na FLIBO: Feira Literária de Boqueirão


De 21 à 25 deste mês será realizada a 3º edição da FLIBO, Feira Literária de Boqueirão. O evento promovido pelo Governo do Estado, Prefeitura Municipal, Secretaria de Cultura e Associação dos Escritores de Boqueirão faz parte do Circuito Nacional de Feiras de Livro, programa do Ministério da Cultura do Brasil que também apóia outros eventos deste porte como a tradicional FLIP, Feira Literária de Parati. O evento vai transformar Boqueirão, conhecida como “a cidade das águas” numa cidade de rimas e letras. As feiras de livro mobilizam as comunidades em torno da importância da leitura na sociedade e é grande oportunidade para aproximar autores e leitores.

No dia 22 às 14h, o professor e coordenador do Curso de Jogos Digitais da Facisa, Rodrigo Motta, vai proferir a palestra Xilo: Cultura Nordestina em Ação, onde irá apresentar o projeto do jogo Xilo, que tem como base a cultura nordestina e utiliza especificamente a literatura de cordel para narrar as histórias do jogo. Rodrigo estará acompanhado pelos responsáveis pelos cordéis do jogo, Suênia Leôncio e Vandré Paulo, este ultimo que também faz parte do rol de colaboradores da Cesed/Facisa. Durante os quatro dias do evento serão apresentadas mais de 20 palestra e oficinas com profissionais de renome como o cineasta Aluízio Guimarães, o jornalista José Nêumanne Pinto (SBT) e o cordelista Manoel Monteiro.

O evento deste ano tem como tema Nordeste: Literatura e Teatro, do Texto ao Palco vai homenagear os escritores Bráulio Tavares e Lourdes Ramalho. Bráulio Tavares é natural de Campina Grande, escritor, poeta e compositor brasileiro. Estudou cinema na Escola Superior de Cinema da Universidade Católica de Minas Gerais. É pesquisador de literatura fantástica e ficção científica, compilou a primeira bibliografia do gênero na literatura brasileira, o Fantastic, Fantasy and Science Fiction Literature Catalog (Fundação Biblioteca Nacional, Rio, 1992), é colunista de jornal e escreve roteiro para shows, cinema e televisão.

Lourdes Ramalho cresceu ouvindo cantorias de viola e histórias contadas por vendedores de folhetos e assim aprendeu, desde cedo, a amar sua terra e a cultura do seu povo. Essa relação, de natureza atávica, da autora com a poesia popular, na realidade, se confunde com a história de seu bisavô, Hugolino Nunes da Costa, um dos expoentes da primeira geração de cantadores surgida no sertão paraibano em meados do século XIX dando seqüência a uma linhagem iniciada por Agostinho Nunes da Costa, considerado o pai da poesia sertaneja nordestina. É deste contato com cantadores, cordelistas e contadores de história que vem o aprendizado dos procedimentos próprios da literatura popular, mais tarde assimilados em sua dramaturgia.

Mais informações no Blog do evento. Estão todos convidados! =)