Mercado

A área de Jogos Digitais está em franca expansão no Brasil e já está consolidada em diversos países. A demanda do mercado de trabalho por mão-de-obra especializada é constante no exterior e crescente no Brasil. Segundo informação divulgada pela Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Digitais (ABRAGAMES) em maio de 2009, havia registro de 55 empresas desenvolvedoras de jogos em atividade no país, hoje o número já ultrapassa 150, tendo ainda constantemente a implantação de grandes empresas internacionais no país.

O mercado dos chamados games, os jogos eletrônicos, já ultrapassou em 20% o mercado milionário do cinema. A própria indústria do cinema hoje volta-se para a produção de filmes que já tenham, em seu roteiro, a possibilidade da transformação em mídia interativa (games). De um modo geral, o mercado de games e todas as oportunidades lúdicas que se apresentam nele se constituem em um dos pontos importantes da atual cultura. A Gamificação, ou o pensamento de transformar todos os tipos de tarefas e informação em jogos é uma teoria bastante estudada hoje em dia.

O mercado de jogos no Brasil está dividido em nichos. A maioria das empresas foca o mercado tradicional de entretenimento (72%), porém nota-se o crescimento do interesse pelos advergames (jogos feitos para empresas, usados como peças de marketing) e o início da produção de business games (simulação de negócios cuja finalidade é o aprendizado), serious games (jogos “sérios” voltados para simulação e treinamento), jogos educacionais (na forma de artefatos de aprendizagem) e middlewares (ferramenta necessária para o processo de desenvolvimento e manutenção de jogos). A maioria das empresas foca o mercado de PC (63%) e em segundo lugar vêm os aparelhos móveis (22%).

De 2005 para 2007, o crescimento das empresas do setor de games chegou a quase 40%. As desenvolvedoras brasileiras faturam aproximadamente R$ 50 milhões e se incluir distribuição, embalagem, marketing e publicidade, a estimativa gira em torno de R$ 150 milhões. De acordo com a pesquisa, o faturamento por estado é equilibrado. A força e a estabilidade de crescimento deste mercado são atestadas, pois muitas empresas aumentaram o faturamento para a faixa entre R$ 960 mil à R$ 2 milhões e continuam surgindo empresas menores com faturamento de até R$ 300 mil por ano.

No Brasil existem cerca de 35 milhões de jogadores ativos, segundo pesquisa da Newzoo de 2011 e o mercado nacional movimenta 2 bilhões de dólares. Os Brasileiros jogam cerca de 64 milhões de horas por dia, sendo 38% do tempo jogos casuais ou de redes sociais.

Existem muitas oportunidades de emprego no mercado de games, principalmente em centros como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Recife, onde empresas de games já completaram 10 anos de atividade. O Brasil também é forte na prestação de serviços para empresas do exterior, principalmente dos Estados Unidos e Canadá, seja com outsourcing ou trabalho de freelancers, há ainda uma ebulição de estúdios independentes de games que com boas idéias conseguem fazer muito sucesso com venda direta em marketplaces como a App Store (iPhone/iPad).